Connect with us

Povo Fla

‘Governos e Mudanças em Tempos de Crise’, José Maria Neves

Doravante e neste período mais conturbado, as políticas públicas vão se constituindo e alterando todos os dias, em processos dinâmicos, ambíguos e voláteis.

Publicado

em

Foto: ANação

Pelos vistos, a ocidente tínhamos, a princípio, duas alternativas de combate ao novo coronavírus e ao Covid 19: deixar o contágio continuar até atingir 70 a 80% da população e garantir, por essa via, a chamada imunidade comunitária ou confinar as pessoas em casa, de modo a reduzir os contágios a um nível aceitável para a capacidade de processamento dos sistemas de saúde.

Ângela Merkel, a Chanceler Alemã, se não me falha a memória, foi a primeira de quem ouvi falar da primeira alternativa. Rapidamente a abandonou, para impor o confinamento em casa e um combate muito mais eficaz ao vírus. Trump e Boris Johnson, embora por muito mais tempo, insistiram na primeira hipótese, mas acabaram, face à dimensão da ameaça, a arrepiar caminho e a aceitar as recomendações da OMS, que apontavam para o isolamento social e o confinamento em casa.

Na verdade, segundo a OMS e as equipas interdisciplinares criadas em vários países, o distanciamento social e o consequente confinamento em casa levariam ao achatamento da curva de contágio e permitiriam que os sistemas de saúde tivessem capacidade de processamento e de resposta, mas a pandemia prolongar-se-ia no tempo, até que se conseguisse uma vacina ou um medicamento.

Se Portugal até agora tem conseguido conter a propagação, achatar a curva e evitar o colapso do sistema nacional de saúde, talvez por ter tomado medidas a tempo, a Itália e a Espanha, por razões várias, que não cabe aqui dissecar, perderam o controle, os serviços de saúde colapsaram e tem sido muitíssimo angustiante ver a devastação humana, social e económica que o novo coronavírus tem provocado nesses países…

Ninguém sabe, pois, quando esta pandemia terminará. A devastação continua e as consequências para a humanidade podem ser catastróficas.

Os próximos meses são inéditos, imprevisíveis e terrivelmente angustiantes.

A única alternativa é mantermo-nos em casa e
cuidarmos de nós e de dos outros, sempre na perspetiva de que nada será como dantes na terra.

Segundo Yuval Noah Harari, num artigo recentemente publicado no Finantial Times, “as decisões tomadas pelas pessoas e pelos governos nas próximas semanas provavelmente moldarão o mundo nos próximos anos”.

Por isso, as pessoas e os governos, apesar da pressão do tempo e da grande tensão do momento – estamos todos muito desgastados emocionalmente, vulneráveis e muito sensíveis -, têm de pensar rápido, bem e estrategicamente, o que é extraordinariamente complexo e difícil.

A arte de governar terá de mudar desde já. O que fizemos até ontem já não serve. Temos que inventar todos os dias mecanismos, estilos e políticas para agir e governar nos tempos que correm.

O caminho é o reforço da cooperação política entre a maioria e a oposição na discussão antecipada das alternativas de solução, na adoção rápida de novas políticas públicas e na avaliação conjunta da sua implementação e introdução de melhorias.

Doravante e neste período mais conturbado, as políticas públicas vão se constituindo e alterando todos os dias, em processos dinâmicos, ambíguos e voláteis.

A governança, de ora em diante, requer mecanismos rápidos de formação de consensos, todos os dias, a toda a hora. Outros mecanismos de trabalho governamental devem ser criados, os parceiros sociais estão permanentemente convocados e os partidos com representação parlamentar devem estar na mesa do Governo.

O Presidente da República, o Presidente do Parlamento, o Primeiro Ministro, os Líderes dos principais partidos, os Ministros, pelo menos os mais concernidos, os Presidentes dos Grupos Parlamentares devem criar um espaço permanente de articulação institucional para a adoção de políticas públicas formuladas sob a pressão do tempo, mas que perdurarão no tempo.

Esta pandemia obriga-nos a uma rápida mudança de chip.

Fiquem em casa e cuidem-se.

Escrito por José Maria Neves

Continue Lendo
Anúncio
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Povo Fla

“O maior medo das pessoas é o sustento da família e o rendimento dos agregados”, Lucas Leite Monteiro

Lucas Leite Monteiro, Secretário da Direção do Observatório da Cidadania de Cabo Verde, em entrevista à E-Global

Publicado

em

Lucas Leite Monteiro, Secretário da Direção do Observatório da Cidadania de Cabo Verde, em entrevista à E-Global refere que parte da população ainda resiste às medidas de confinamento, pois vive do setor informal e receia perder os rendimentos.

Para minorar esses casos, o Provedor do Mindelo em estreita colaboração com o Observatório da Cidadania de Cabo Verde tentam responder através de ação concertada a todos os pedidos de ajuda que chegam. Lucas Leite Monteiro afirma que combater o novo coronavirus é um importantíssimo ato de cidadania a que todos devem responder

Como considera que tem sido a atuação dos cabo-verdianos em relação às medidas de contingência social já tomadas?

Do nosso ponto de vista (falo como Secretário da Direção do Observatorio da Cidadania de Cabo Verde), a população tem colaborado em certa parte, visto que há alguns grupos etários e sociais que ainda resistem às medidas de Dever de Recolhimento impostas pelo Decreto Presidencial de 28 de março. Há apenas um restrito número de pessoas que estão autorizadas a estar na rua por trabalharem nos serviços essenciais do Estado. Mas a Polícia Nacional já começa a tomar medidas mais duras, que passam pela detenção e apresentação de indivíduos ao Tribunal, visto que alguns direitos Constitucionais, como o direito de livre circulação, foram suspensos.

O vírus em Cabo Verde ainda não aumentou de forma exponencial mas lojas, hotéis, escolas já se encontram encerradas. As pessoas já sentem que esta é uma situação que vai durar por muito tempo?

Sim. Por precaução foram tomadas medidas duras, por parte do Governo, para que se contivesse o contágio na população. Medidas, diga-se de passagem muito bem tomadas. Mas o maior medo das pessoas é o sustento da família e o rendimento dos agregados. Grande parte das famílias vive do sector informal e estando confinadas não têm como gerar renda

Haverá apoios para as famílias mais desfavorecidas por parte das autarquias para que bens alimentícios e de primeira necessidade não escasseiem nas próximas semanas?

Sim, claro. Há uma campanha (várias digo) que a Autarquia está a levar a cabo para dar esse apoio. Nas plataformas PROVEDORDEMINDELO e OBSERVATORIO-CIDADANIA-ATIVA-CABO-VERDE temos estado a receber cerca de 30 a 50 pedidos de ajuda diários que, são imediatamente enviados à Ação Social da Câmara, à Delegacia de Saúde para triagem e apoio. A Articulação está a ser feita num grupo de coordenação criado para o efeito.

E que  campanhas estão a ser feitas para reduzir o risco de propagação do vírus especialmente entre as camadas de população mais vulneráveis, como os idosos?

Neste momento estão a decorrer muitas campanhas que estão a ser divulgadas na rádio e televisão, pricipalmente, mas no terreno as Entidades de Saúde têm estado sempre presentes, bem como a Proteção Civil de Cabo Verde, a INSP – Instituto Nacional de Saúde Pública, a DNS – Direção Nacional de Saúde, a Cruz Vermelha, o Exército, a Polícia Nacional têm estado no terreno a fazer sensibilização e desinfestação nos bairros.

Neste momento, há muitas pessoas que se sentem ansiosas e podem sentir-se mais fragilizadas. Essas pessoas podem entrar em contacto com alguém, sem pressionar a linha verde, fundamental para o atendimento a doentes que manifestem sintomas do novo coronavírus?

Desde a primeira hora, foi criada uma linha de apoio 800 11 12 (embora sobrecarregada) para dar apoio às pessoas. Há um conjunto de psicólogos que têm atendido casos de pessoas que revelam ansiedade, stress. Mas, a própria Associação de Psicólogos de Cabo Verde disponibilizou uma linha de atendimento às pessoas. e nós mesmos fizemos isso, nas plataformas acima indicadas, temos prestado esse tipo de apoio.

Tendo em conta que a diáspora cabo-verdiana é em grande número e que muitas famílias querem estar juntas neste momento, mas atendendo a que necessitam de um período de quarentena, já se estudou a hipótese de várias unidades hoteleiras poderem disponibilizar quartos para esses períodos de confinamento?

Isto está a ser feito desde o início para quem estava fora por motivo de férias ou em serviço e que regressam agora ao país. Nesses casos, estão a ser postos em  quarentena obrigatória.

Fonte: e-Global

Continue Lendo

Povo Fla

Os 10 Erros nas Projeções sobre o Coronavírus em Cabo Verde, segundo o médico Julio Andrade

O médico e presidente do Conselho da Administração do Hospital Central Agostinho Neto, Júlio Andrade, analisa os estudos sobre Projeções da COVID-19 em Cabo Verde e aponta 10 erros.

Publicado

em

Segue, na íntegra, texto publicado pelo médico Júlio Andrade, em seu perfil no Facebook, apontando os erros nas projeções sobre o coronavírus em Cabo Verde, divulgada pela InforPress no dia 12 do corrente mês.

A PROPÓSITO DOS ESTUDOS SOBRE AS PROJEÇÕES DA INFECÇÃO DO COVID-19 EM CABO VERDE

Tendo em consideração o estudo recentemente publicado, com pompa e circunstância, achei ser meu dever de cidadão e de médico, por a minha experiência de combate a endemias e epidemias ao longo dos meus 34 anos de exercício de medicina, nomeadamente no combate da Lepra, Tuberculose, Paludismo, Cólera, Dengue, Zica e COVID19, ao serviço da opinião pública, deixar a minha opinião sobre a divulgação dos estudos sobre as projecções da infecção em Cabo Verde.
Aproveito desde já para manifestar que não conheço o estudo, mas sim os dados publicados na comunicação social.

Ninguém discute a importância de estudos científicos que facilitam a tomada de decisões, mas é sempre prudente ter-se em conta as limitações do próprio estudo. Das informações vindas a público, parece que se utilizou uma metodologia com modelos retirados da evolução da epidemia noutros países. Pode ser aceitável não só como exercício académico, mas também como uma simulação, mas há que ter em conta as limitações que devem ser explicitadas.

Tenho enorme respeito e consideração pela capacidade técnica e intelectual pelo meu amigo e contemporâneo liceal, engenheiro José Augusto Fernandes, mas na minha humilde opinião, está profundamente equivocado e espero que esteja errado pelas seguintes razões:

1º. Partiu de pressupostos errados, 7% da população está infectada, ao tomar dados de análises feitos em Cabo Verde o que não é equivalente a uma amostragem aleatória na população geral;

2º. Parece-me, pelas informações que pude colher na comunicação social, não levou em consideração os grupos etários da nossa população, que é maioritariamente jovem ao contrario do estudo não partiu de cenário real, mas virtual;

3º. Ignorou que somos ilhas, com uma forte componente rural, realidades que facilitam a criação de cordão sanitário e reduzir a propagação do vírus;

4º. Não partiu de uma amostragem aleatória, mas sim de análise de doentes com suspeitas de COVID19, que nada tem a ver com a incidência da doença na população geral;

5º. Ignorou evidências científicas e estatísticas mundiais que demostram, de forma categórica, que em cada cem infectados, quinze a vinte terão sintomas e precisarão de cuidados médicos e cinco necessitarão de cuidados intensivos. Em cabo verde só três nacionais necessitaram ainda de cuidados médicos o que significa, a meu ver, haverá, no máximo, 15 pessoas infectadas em Cabo Verde;

6º. Nós conhecemos o número de testes positivos, mas outro aspecto a considerar é o número de testes realizados. Talvez fosse razoável ponderar o seu número ainda reduzido. Isso relativizaria os resultados, não é? É importante o ponto de partida. Se partirmos de primícias que não são muito rigorosas, o resto pode ficar comprometido. Vendo assim, muito rapidamente, e não esquecendo qual a situação actual, não parece muito plausível e estaticamente quase impossível que em três meses (Julho), venhamos a ter o numero de infectados projectado nos dois estudos apresentados;

7º. Ignorou que países como Coreia do Sul, República Checa, China Continental, Macau e Hong Kong que conjugaram isolamento social e uso de máscaras universais a incidência de COVID19 foi das mais baixas do mundo e que não tiveram evolução em pico mas sim em planalto;

8º. Este estudo não serve para tomada de qualquer decisão racional no Sector da Saúde e veio muito extemporâneo, numa altura em que a evidência mostra o contrário das previsões dos dois estudos apresentados;

9º. Cabo Verde, apesar de ter muitas fragilidades no Sector da Saúde, tem um SNS minimamente estruturado e relativamente resiliente e com as medidas assertivas já tomadas pelo Governo não prevejo nenhum dos cenários apresentados.

10º. Os cenários apresentados são irrealistas e não se verificaram ainda em nenhuma latitude, pelo que a população deve continuar ter autodisciplina e respeitar as recomendações do Governo de SNS. Tanto assim é, que o primeiro “modelo não serve, está ultrapassado” visto que medidas várias foram tomadas (lavagem das mãos, distanciamento social, fecho das escolas, isolamento, fecho de fronteiras, quarentenas, estado de emergência com as restrições inerentes, etc.). É evidente que todas essas intervenções (e outras) influenciam a(s) curva (s) e o que ela(s) representa(m).

Sendo o primeiro modelo ultrapassado, não vi muita razão para se insistir tanto nele. Se nada tivesse sido feito e se se esperasse pela imunidade de grupo (mais de 70% da população infectada) a situação eventualmente poderia ser uma daquelas que se apresentou.

Para terminar, creio ser possível que isto tudo esteja na base da leitura que se tem feito (veja-se particularmente o artigo da Inforpress); não esclareceu nada e trouxe aquilo que menos precisamos neste momento: a perda da nossa tranquilidade para melhor podermos cumprir aquilo que as autoridades nos recomendam.

Decidamente, não é uma mensagem que a população precisa neste momento para continuar fazer face com sucesso à pandemia do Covid-19.

Praia, 11 de abril de 2020

Julio Barros Andrade

Fonte: JBA

Continue Lendo

Povo Fla

Estágios: é a nova ‘moda’ em Cabo Verde

Estagiário: um cursado sem experiência, sem respeito, de bolso vazio e a mente bem distante… Oh terra sofrida!

Publicado

em

Photo by Mimi Thian on Unsplash

Quatros anos na universidade; rabisco de sonhos no papel; um coração ávido para contribuir pelo seu país. Você sonha com o primeiro emprego e já planeja sua vida.

Mas a realidade, depois de transpor os portões da universidade, é outra. Uma realidade bem mais dura do que sonhamos.

Você é cursado, sem experiência profissional; uma empresa lhe oferece uma oportunidade de estágio por alguns dias ou meses e quando terminar este período te despede e colocam um outro estagiário em seu lugar, porque podem fazer isso.

Isso quer dizer que a empresa não precisa de você; você é descartável porque sempre poderão encontrar outro estagiário, como você, para “usarem”. E você, vai sentar em casa até surgir uma oportunidade de emprego ou procura outro estágio em uma outra empresa.

E o pior de tudo, de graça. Sorte de quem conseguir um estágio remunerado. Pode conseguir, esperando na fila do IEFP ou se cair no gosto de alguma empresa.

Essa piada precisa parar…

Quinze ou trinta dias de estágio nem serve para colocar como experiência no currículo.

Empresas que precisam de estagiários devem pensar numa forma de recrutar o estagiário ao final do estágio, ou pelo menos oferecer um estágio remunerado. Por que não oferecer estágio remunerado?

Entendo que o estágio é para treinar a pessoa para ocupar um posto que, talvez, não tenha experiência. Mas, se depois de trinta ou cento e oitenta dias (seis meses) a Empresa não contrata o estagiário, pra quê estagiar?

Pensando assim, tanto fazer estagiar ou não, certo?

E quando o estágio não é remunerado, como pagar o transporte, o almoço, comprar uma camisa nova? Melhor seria servir a um pedreiro e receber diariamente, não é? Compensaria! Depois de trinta dias o dinheiro daria para alguns kilos de arroz em casa.

Agora vamos falar ‘na lingua di terra’ …

Otu grandi verdadi eh que bo eh ka só un estagiariu, bu ta passa ta ser mininu de mandadu na nomi di estagiariu, nem sempre tem alguen na empresa pa treinau e bu tem que nguli tudo desaforu di donu de empresa ou algun mandanti la dentu…

Mas alguen podi pergunta: “e kel experiensia, eh ka ten um valor?”

  1. tem sim, eh um grandi beneficiu pa empresa, ten alguen ta trabadja pa el x meses di grasa;
  2. tem sim, un grandi benefisiu pa mi si dipos di trabadja di grasa n tiver un oportunidadi di trabadju; se não, pa kuse n mesti experiensias di 1, 2 ou 3 meses na 50 empresas si na final di contas nem eh ka ta sirbi pa pa kumpri kes exigencias de 5 anos de experisia pa un empregu?
  3. experiensia ê experiensia sempri, mas es situason di nos terra eh maz uma explorasan di que oportunidadi (disso q falo);

Nós q bai escola ku sacrifisiu pa ten um formason, nu ka podi fika ta mendiga estagiu de 1, 2, 3 ou 6 meses di grasa i dipos permite ser deskartadu pa nenhum empresa, isso eh desvaloriza bu pessoa komu profissional; empresa ka podi fika ta odjanu komu mendingus maz komu un kolaborador (cursadu, ku bagagem msm q teoriku, ku konhesimentu) q podi djuda empresa a kresci…

Mas, pa kelotu lado, txeu bes bu ten que bai simé, ku esperansa ma algun empresa ta contratau.

Haja empregu i muita força pa nós recem-formadus i kes que te inda sta estagia!

Este mesmo texto foi compartilhado na Página Vagas Cabo Verde no Facebook, e as histórias de estagiários são tristes de se ouvir. Leia!

Onde conseguir estágios remunerado em Cabo Verde?

Continue Lendo

Destaques