Cabo Verde vai receber apoio do Programa Alimentar Mundial para a crise

Soma-se quatro anos de seca, mais de dois anos de pandemia de Covid-19 e a guerra na Ucrânia. 

Chris Nikoi, diretor regional do Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas, disse estar ciente dos desafios que o arquipélago está a enfrentar, elogiou os progressos de Cabo Verde nos últimos anos e prometeu ajudar o país a mobilizar recursos para enfrentar as crises.

“Saímos de Cabo Verde em 2010 com muitos sucessos. Cabo Verde conseguiu progressos incríveis nos últimos 10 — 12 anos desde que o Programa Alimentar Mundial saiu do país“, elogiou o responsável, na cidade da Praia, após um encontro com o ministro da Agricultura e Ambiente.

O diretor afirmou que o Governo de Cabo Verde alcançou os objetivos do programa, mas disse estar ciente que neste momento o arquipélago está a enfrentar vários desafios, depois de quatro anos de seca, mais de dois anos de Covid-19 e agora a guerra na Ucrânia.

Neste sentido, disse que essas crises em Cabo Verde terão como maior desafio a segurança alimentar, numa economia frágil e dependente do exterior.

“Mas estamos aqui para colaborar com o Governo na procura de apoios para acompanhar a situação e mobilizar recursos da comunidade internacional”, afirmou Nikoi, garantindo que o programa vai ajudar o país a tornar-se mais resiliente em termos de produtos alimentares.

O ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, salientou a assistência do PAM na mobilização de ajuda para segurança alimentar e nutricional, com reforço nas cantinas escolares, que vão funcionar nas férias, atribuindo refeições quentes a mais de 80 mil crianças.

“Cabo Verde, ao promover-se para um País de Rendimento Médio Baixo deixou de ter ajuda direta do PAM, nas cantinas escolares, e desde 2010 temos estamos a gerir muito bem as nossas cantinas”, deu conta Gilberto Silva.

Mas neste momento, disse, há uma “situação excecional”, em que Cabo Verde é dos países mais atingidos pela Covid-19 e agora pela crise provocada pela guerra, por ser dependente da importação de cereais.

“E a oscilação de preços que nós temos no mundo vai prejudicar Cabo Verde se as medidas não forem tomadas e tudo o que nós estamos a fazer é no sentido de mitigar este impacto”, garantiu o ministro, enaltecendo que o PAM será um “bom parceiro” para mobilizar recursos internacionais.

Observador.pt

Olhar Cabo Verde Portal de Informações sobre Cabo Verde. Aqui você conhece Cabo Verde e fica de olho em tudo o que acontece no arquipélago.

0 Comentário

Enviar um comentário

Iklan Atas Artikel

Iklan Tengah Artikel 1

Iklan Tengah Artikel 2

Iklan Bawah Artikel