Os 10 Erros nas Projeções sobre o Coronavírus em Cabo Verde, segundo o médico Julio Andrade

Segue, na íntegra, texto publicado pelo médico Júlio Andrade, em seu perfil no Facebook, apontando os erros nas projeções sobre o coronavírus em Cabo Verde, divulgada pela InforPress no dia 12 do corrente mês.

A PROPÓSITO DOS ESTUDOS SOBRE AS PROJEÇÕES DA INFECÇÃO DO COVID-19 EM CABO VERDE

Tendo em consideração o estudo recentemente publicado, com pompa e circunstância, achei ser meu dever de cidadão e de médico, por a minha experiência de combate a endemias e epidemias ao longo dos meus 34 anos de exercício de medicina, nomeadamente no combate da Lepra, Tuberculose, Paludismo, Cólera, Dengue, Zica e COVID19, ao serviço da opinião pública, deixar a minha opinião sobre a divulgação dos estudos sobre as projecções da infecção em Cabo Verde.
Aproveito desde já para manifestar que não conheço o estudo, mas sim os dados publicados na comunicação social.


Ninguém discute a importância de estudos científicos que facilitam a tomada de decisões, mas é sempre prudente ter-se em conta as limitações do próprio estudo. Das informações vindas a público, parece que se utilizou uma metodologia com modelos retirados da evolução da epidemia noutros países. Pode ser aceitável não só como exercício académico, mas também como uma simulação, mas há que ter em conta as limitações que devem ser explicitadas.

Tenho enorme respeito e consideração pela capacidade técnica e intelectual pelo meu amigo e contemporâneo liceal, engenheiro José Augusto Fernandes, mas na minha humilde opinião, está profundamente equivocado e espero que esteja errado pelas seguintes razões:

1º. Partiu de pressupostos errados, 7% da população está infectada, ao tomar dados de análises feitos em Cabo Verde o que não é equivalente a uma amostragem aleatória na população geral;

2º. Parece-me, pelas informações que pude colher na comunicação social, não levou em consideração os grupos etários da nossa população, que é maioritariamente jovem ao contrario do estudo não partiu de cenário real, mas virtual;

3º. Ignorou que somos ilhas, com uma forte componente rural, realidades que facilitam a criação de cordão sanitário e reduzir a propagação do vírus;

4º. Não partiu de uma amostragem aleatória, mas sim de análise de doentes com suspeitas de COVID19, que nada tem a ver com a incidência da doença na população geral;

5º. Ignorou evidências científicas e estatísticas mundiais que demostram, de forma categórica, que em cada cem infectados, quinze a vinte terão sintomas e precisarão de cuidados médicos e cinco necessitarão de cuidados intensivos. Em cabo verde só três nacionais necessitaram ainda de cuidados médicos o que significa, a meu ver, haverá, no máximo, 15 pessoas infectadas em Cabo Verde;

6º. Nós conhecemos o número de testes positivos, mas outro aspecto a considerar é o número de testes realizados. Talvez fosse razoável ponderar o seu número ainda reduzido. Isso relativizaria os resultados, não é? É importante o ponto de partida. Se partirmos de primícias que não são muito rigorosas, o resto pode ficar comprometido. Vendo assim, muito rapidamente, e não esquecendo qual a situação actual, não parece muito plausível e estaticamente quase impossível que em três meses (Julho), venhamos a ter o numero de infectados projectado nos dois estudos apresentados;

7º. Ignorou que países como Coreia do Sul, República Checa, China Continental, Macau e Hong Kong que conjugaram isolamento social e uso de máscaras universais a incidência de COVID19 foi das mais baixas do mundo e que não tiveram evolução em pico mas sim em planalto;

8º. Este estudo não serve para tomada de qualquer decisão racional no Sector da Saúde e veio muito extemporâneo, numa altura em que a evidência mostra o contrário das previsões dos dois estudos apresentados;

9º. Cabo Verde, apesar de ter muitas fragilidades no Sector da Saúde, tem um SNS minimamente estruturado e relativamente resiliente e com as medidas assertivas já tomadas pelo Governo não prevejo nenhum dos cenários apresentados.

10º. Os cenários apresentados são irrealistas e não se verificaram ainda em nenhuma latitude, pelo que a população deve continuar ter autodisciplina e respeitar as recomendações do Governo de SNS. Tanto assim é, que o primeiro “modelo não serve, está ultrapassado” visto que medidas várias foram tomadas (lavagem das mãos, distanciamento social, fecho das escolas, isolamento, fecho de fronteiras, quarentenas, estado de emergência com as restrições inerentes, etc.). É evidente que todas essas intervenções (e outras) influenciam a(s) curva (s) e o que ela(s) representa(m).

Sendo o primeiro modelo ultrapassado, não vi muita razão para se insistir tanto nele. Se nada tivesse sido feito e se se esperasse pela imunidade de grupo (mais de 70% da população infectada) a situação eventualmente poderia ser uma daquelas que se apresentou.

Para terminar, creio ser possível que isto tudo esteja na base da leitura que se tem feito (veja-se particularmente o artigo da Inforpress); não esclareceu nada e trouxe aquilo que menos precisamos neste momento: a perda da nossa tranquilidade para melhor podermos cumprir aquilo que as autoridades nos recomendam.

Decidamente, não é uma mensagem que a população precisa neste momento para continuar fazer face com sucesso à pandemia do Covid-19.

Praia, 11 de abril de 2020

Julio Barros Andrade

Fonte: JBA

Olhar Cabo Verde Portal de Informações sobre Cabo Verde. Aqui você conhece Cabo Verde e fica de olho em tudo o que acontece no arquipélago.

0 Comentário

Enviar um comentário

Iklan Atas Artikel

Iklan Tengah Artikel 1

Iklan Tengah Artikel 2

Iklan Bawah Artikel